Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Atualidades

Avança a negociação do Brexit

Avança a negociação do Brexit

Conteúdo postado em 27/11/2018

Olá, amigas e amigos CACDistas!

 

O Brexit caminha! Será que teremos um 2019 com Reino Unido fora da União Europeia?

 

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia aprovaram o acordo de retirada de Reino Unido da UE, a partir do qual listaram as condições do divórcio entre as duas partes, assim como a declaração sobre suas futuras relações.

 

O anúncio foi feito neste domingo, 25, pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, após a reunião de cúpula em Bruxelas.

 

O acordo sobre o Brexit entra agora em sua hora da verdade: deve ser ratificado pelo Parlamento britânico em dezembro, e depois pelo Parlamento Europeu, que prevê votá-lo “entre fevereiro e março”, como adiantou seu presidente, Antonio Tajani.

 

O negociador da UE Michel Barnier previu um futuro como “aliados, parceiros e amigos” depois da separação formal, prevista para 30 de março.

 

O presidente francês, Emmanuel Macron, ressaltou que a relação entre a UE e o Reino Unido continuará sendo fluida “e poderá evoluir”. Macron defendeu as garantias obtidas no último minuto para os pescadores franceses, e fez uma autocrítica sem cair no dramatismo. “Não é um dia de luto. É a escolha de um povo soberano. A Europa tem necessidade de uma refundação, essa é a opção que apoio e que deve marcar o debate das próximas eleições europeias.”

 

A Espanha, por sua vez, levantou no sábado, 24, o possível veto para a aprovação do acordo, após receber uma “tripla garantia” em torno de Gibraltar. Os 27 membros da UE e a Comissão Europeia se comprometem a nunca negociar um acordo com o Reino Unido que inclua Gibraltar.

 

Além disso, a negociação de futuros acordos que afetem a colônia britânica exigirá a aprovação prévia da Espanha. Antes de entrar na reunião com os demais líderes da UE, o chefe de Governo espanhol, Pedro Sánchez manteve uma breve reunião com Tajani. Este explicou que o acordo chegará ao plenário do Parlamento Europeu em dezembro, e depois será levado a votação, no máximo, em março.

 

De modo geral, os líderes europeus fizeram o mesmo diagnóstico. “Há um acordo aceitável na mesa”, afirmou o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte. “Ninguém ganha, todos perdemos com a saída do Reino Unido”, acrescentou. Mesmo assim, Rutte disse que “se vivesse” na Grã-Bretanha apoiaria o pacto, já que limita as consequências do Brexit. “É muito equilibrado.”

 

Nesse sentido, a chefe de Estado da Lituânia, Dala Gribauskaite, concordou que os 27 não estão “muito contentes”, e recordou que agora “cabe ao Reino Unido decidir que caminho tomar”. “Tudo pode acontecer”, acrescentou. Segundo ela, se o Parlamento britânico rejeitar o pacto, serão abertas várias possibilidades, como novas eleições ou um pedido de renegociação do acordo.

 

Já do outro lado do Atlântico, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse na segunda-feira, 26, que o acordo da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, com a União Européia (UE), pode dificultar o comércio entre Washington e Londres.

 

Trump disse ainda que o acordo que May marcou com Bruxelas "parece um grande negócio" para a UE.

 

"I think we have to take a look at, seriously, whether or not the UK is allowed to trade, because you know right now, if you look at the deal, they may not be able to trade with us," ("Eu acho que temos que dar uma olhada, seriamente, se o Reino Unido pode ou não negociar, porque você sabe agora, se você olhar para o acordo, eles podem não ser capazes de negociar conosco") disse ele.

 

O gabinete de May rejeitou a declaração dizendo que o acordo permitia que o Reino Unido assinasse acordos comerciais com países do mundo todo, incluindo os EUA.

 

"Já estamos preparando as bases para um acordo ambicioso com os EUA através de nossos grupos de trabalho conjuntos, que se encontraram cinco vezes até agora", disse um porta-voz do escritório.

 

No domingo, o bloco de 27 membros aprovou o acordo de retirada e a declaração política sobre as futuras relações UE-Reino Unido.

 

Sem dúvida, um período muito turbulento está agora diante dos parlamentares britânicos, que devem votar o acordo nas próximas semanas.

 

Na segunda-feira, May fez um apelo direto aos legisladores céticos para apoiar o acordo: “não é perfeito, mas é tudo o que existe, e a alternativa é um salto para o desconhecido.”

 

Em essência, ela pediu ao parlamento: “Vamos concordar e seguir em frente, por causa dos eleitores.”

 

11 de dezembro - o dia D

 

May confirmou que os legisladores britânicos votarão em 11 de dezembro, após vários dias de debate, sobre a aprovação ou rejeição do acordo.

 

A rejeição poderá mergulhar a Grã-Bretanha em uma crise política e em uma possível crise financeira apenas algumas semanas antes de deixar a UE em 29 de março.

 

"Ninguém sabe o que aconteceria se o acordo não fosse aprovado", disse May à Câmara dos Comuns.

 

"Nosso dever como parlamento nas próximas semanas é examinar esse acordo em detalhes, debatê-lo respeitosamente, ouvir nossos eleitores e decidir o que é de nosso interesse nacional." disse a premier.

 

Antes disso, May planeja uma forte campanha nestas duas próximas semanas para convencer tanto o público quanto os legisladores de que o acordo é favorável à decisão dos eleitores em 2016 de deixar a UE.

 

Mas a defesa de May de seu acordo duramente conquistado no parlamento foi seguida por uma enxurrada de críticas, de defensores do Brexit, legisladores pró-União Européia e anteriormente leais defensores.

 

Durante o debate de segunda-feira no parlamento, os legisladores expressaram novamente seu profundo mal-estar, se não o ódio, do acordo que mantém a Grã-Bretanha fora da UE sem dizer nada, mas ainda sujeito às regras e obrigações da associação pelo menos até o final de 2020. Um novo relacionamento permanente é trabalhado.

 

Apesar do acordo formalizado nesse domingo, ainda existe quem acredite que há tempo de mudar de rumo. O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, que durante toda a negociação foi um firme partidário de um segundo referendo, assina neste domingo uma carta dirigida à UE no jornal The Sunday Times, na qual envia uma mensagem aos parceiros comunitários: “A primeira-ministra não tem o apoio do povo britânico, nem do Parlamento, nem de muitos membros de seu gabinete. […] Peço-lhes que estejam atentos para oferecer uma saída se nos dispusermos a reconsiderar [o Brexit]”.

 

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, disse que o "acordo fracote" deixaria a Inglaterra em pior situação, com "nada a dizer sobre as regras da UE e nenhuma certeza para o futuro".

 

Espero que tenham gostado!

ARTIGOS RELACIONADOS