Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Dicionário de Economia para o CACD

Dicionário de economia para o CACD: Modelo de Solow

Dicionário de economia para o CACD: Modelo de Solow

Conteúdo postado em 01/10/2021

Olá, sapientes!

 

Os estudos de economia para o CACD podem ser desafiadores, né? Mas, como a gente está aqui para facilitar a vida dos ceacedistas, vamos explicar mais um termo dessa área: o modelo de Solow. 

 

Modelo de Crescimento Neoclássico de Solow

 

O Modelo de Crescimento Neoclássico de Solow (1956) é uma das teorias mais relevantes que tentam explicar o crescimento dos Estados. O objetivo central do modelo de Solow é mostrar como os fatores estruturais da economia, tais como a taxa de poupança e investimento e a taxa de crescimento populacional, afetam a evolução da renda das famílias no longo prazo. Sendo assim, esse modelo descreve como evolui o capital físico, isto é, máquinas e equipamentos, resultante da acumulação de capital financeiro, e como a produção total e a renda evoluem como resultado do crescimento populacional. Vamos ver como esse raciocínio funciona?

 

Mas, antes de começar, é bom saber que, como todo bom e velho modelo neoclássico, Solow não diferencia aqueles que poupam e aqueles que investem, como fazem os keynesianos. Isso acontece porque a poupança da economia, para os neoclássicos, é toda convertida em investimento, não sendo, assim, necessário incluir no modelo uma função investimento separada da de poupança. Os Keynesianos, por outro lado, precisam diferenciar poupança e investimentos para explicar a demanda das famílias, foco central dessa outra teoria.

 

Como Solow explica o crescimento econômico

 

Agora que já sabemos que em Solow toda a taxa de poupança é convertida em investimento, ou seja, em estoque de capital, podemos entender como esse modelo explica o crescimento econômico. De forma geral, em Solow, o crescimento no longo prazo é determinado pela taxa de acumulação de fatores de produção, que são só o capital (máquinas e equipamentos) e o trabalho nesse modelo. Esses dois fatores são afetados pelo crescimento populacional e pelo aumento da produtividade do trabalho, ou seja, o progresso tecnológico. O crescimento populacional levado em conta no modelo é só o valor do crescimento de mão de obra disponível, enquanto o desenvolvimento técnico é considerado um dado exógeno, e é isso que vai levar a uma das críticas principais ao modelo neoclássico de Solow.

 

O fato é que o modelo é incapaz de explicar as razões da persistência das diferenças nas taxas de crescimento entre os países. Isso é explicado exatamente, como já dissemos, pelo modelo considerar o progresso técnico como sendo um fator exógeno. Isso é o mesmo que dizer que a tecnologia está sempre disponível para qualquer empresa e para qualquer país ou que, em algum momento, chegará para todos, o que nem sempre é verdade… O problema é que, ao definir a tecnologia como um “bem público”, o modelo de Solow deixa de levar em conta a fonte mais importante do crescimento dos países no longo prazo: o acesso à tecnologia de ponta.

 

De todo modo, apesar dessa lacuna, o modelo de Solow se tornou a base dos estudos de toda a macroeconomia moderna. E é por isso que não podemos deixar de estudar esse modelo na preparação para o CACD, ok?

 

Quer se tornar um diplomata, mas não sabe por onde começar?

 

Para auxiliar você que está começando os preparos para o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) mas ainda não sabe qual é o curso mais indicado para o que você precisa, o Sapientia oferece uma Orientação Pedagógica Individual 100% à distância e gratuita. Quer saber como ela funciona? É simples! Com base em uma análise do seu perfil, o time de cuidados do Curso Sapientia esclarece suas dúvidas sobre planejamento para o Concurso do Itamaraty e indica o programa de estudos que melhor se encaixa nas suas necessidades. 

 

 

 >>> Saiba mais sobre a nossa orientação 100% gratuita clicando aqui.

 

 

Bons estudos!

 

sugestao-de-leitura-para-o-cacd-o-quinze

ARTIGOS RELACIONADOS