Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Atualidades

Retrospectiva 2018 (parte 1)

Retrospectiva 2018 (parte 1)

Conteúdo postado em 20/12/2018

Olá, futuras e futuros, diplomatas!

 

Ufa! Quem diria que 2018 chegaria ao fim, não é mesmo?

 

Para fechar esse ano (que mais pareceu uma década inteira) com chave de ouro, o Sapi vai relembrar os fatos mais relevantes que rolaram. Mas já deixamos avisados: é tanta coisa que não vai caber em só um post!

 

Avança a desnuclearização na Península Coreana

 

Depois de uma troca intensa de provocações — com direito a comparação do tamanho dos botões —, a relação entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, mudou da água para o vinho. Em 12 de junho (dia dos namorados no Brasil, vale dizer), os dois mandatários se reuniram em uma cúpula em Singapura e se comprometeram com a desnuclearização na Península Coreana.

 

O ano também foi de avanço na relação entre as duas Coreias, tecnicamente em guerra desde a década de 1950. Desde a declaração de Panmujom, várias medidas de paz e integração foram assinadas entre Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

 

Guerra comercial EUA x China

 

O ano também foi recheado de bate-cabeça entre as duas maiores economias mundiais. Em março, os EUA anunciaram US$ 50 bilhões em taxação extra de produtos chineses, no que a China respondeu sobretaxando em 25% diversos produtos americanos. A troca de acusações inclui espionagem tecnológica e segurança nacional do lado americano, e retaliação e prejuízo da economia mundial do lado chinês.

 

Daí em diante, a espiral só cresceu. Até que em dezembro, na cúpula do G-20, em Buenos Aires, Trump e Xi Jinping, presidente chinês, acordaram uma trégua de 90 dias. É pouco, mas dá um fôlego para novas negociações, o que coloca o mundo em alerta. Afinal, quando 40% do PIB mundial entra em uma guerra comercial, não tem quem não seja afetado (o Brasil incluso).

 

A guerra civil no Iêmen se agrava

 

Com a redução das hostilidades na Síria (inclusive o recente anúncio de retiradas das tropas americanas), o mundo agora volta seus olhos para o Iêmen. Infelizmente, a crise humanitária no país talvez tenha proporções ainda maiores.

 

Em guerra desde 2015, dois grupos principais disputam o poder: o governo central, sob o comando do presidente Abdrabbuh Mansur Hadi, e os rebeldes houthis, concentrados na porção norte do país. O conflito também se encaixa na lógica de “guerra por procuração” entre Arábia Saudita e Irã pela hegemonia regional no Oriente Médio: os sauditas apoiam o governo central, enquanto que o Irã auxilia os houthis.

 

Lamentavelmente, são os civis iemenitas quem mais pagam a conta do conflito. O país vem sendo assolado pela fome e por epidemias, como cólera. Com os bloqueios comerciais e humanitários, mais de 70% da população não tem acesso a bens básicos, como comida e medicamentos, segundo a ONU.

 

As negociações do Brexit chegam ao fim (mas a novela ainda não acabou)

 

Com o relógio correndo — faltam menos de 100 dias para a saída definitiva —, União Europeia e Reino Unido finalmente fecharam os termos do Brexit, nome com o qual ficou conhecida saída do Reino Unido do bloco econômico.

 

O acordo saiu no dia 25 de novembro. O problema é que o pacto apresentado não agradou nem os apoiadores da saída nem os favoráveis à permanência. A primeira-ministra Theresa May até chegou a sofrer um voto de desconfiança do seu próprio partido, mas escapou por pouco. Logo em seguida ela tentou colocar o acordo para aprovação no Parlamento (um requisito para a finalização do Brexit), mas, prevendo uma derrota, adiou a votação para janeiro.

 

Ninguém sabe direito o que vai acontecer: o Brexit pode ocorrer com ou sem um acordo, e até propostas por um segundo referendo foram levantadas.

 

Ficou na curiosidade para saber a segunda parte da retrospectiva 2018? Então fica ligado no blog do Sapientia que vem muita coisa boa por aí! 

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS