Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Atualidades

Taiwan Pride 2018 invade Taipei

Taiwan Pride 2018 invade Taipei

Conteúdo postado em 30/10/2018

No último sábado, 27, antes de uma votação histórica que deve acontecer no próximo mês regulamentando os direitos LGBTs, estima-se que 130.000 pessoas marcharam pela capital de Taiwan em apoio aos direitos LGBT +. A parada do orgulho é a maior da Ásia e, assim, atraiu uma multidão diversificada de pessoas de todo o mundo. O tema do desfile deste ano é "Conte sua história, vote pela igualdade".

 

Em 24 de maio de 2017, o Tribunal Constitucional de Taiwan determinou que o casamento entre pessoas do mesmo sexo deve ser legalizado de alguma forma nos próximos dois anos. No entanto, pouco progresso foi feito sobre a questão desde então, e os grupos anti-LGBT reuniram apoio suficiente para iniciar três referendos anti-igualdade ao lado das próximas eleições locais em 24 de novembro.

 

A ilha vai realizar uma série de plebiscitos sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo no próximo dia 24 de novembro.

 

Os organizadores enfatizam que os cidadãos devem votar em todos os cinco referendos relacionados à comunidade LGBT nas próximas eleições para proteger seus próprios direitos e garanti-los para as gerações futuras.

 

Embora Taiwan seja conhecida por ser um dos países mais liberais da região quando se trata de direitos LGBT, a comunidade enfrenta atualmente uma feroz oposição de grupos religiosos de direita que desejam acabar com a igualdade no casamento e uma educação de gênero mais diversificada nas escolas.

 

Cidadãos LGBT, aliados e simpatizantes de todo o mundo saíram às ruas no último sábado com força total para defender o tratamento igual perante a lei.

 

Agitando bandeiras de arco-íris, cartazes impressos com slogans dizendo "amor é igual" e "voto para um futuro feliz", multidões se reuniram no Ketagalan Boulevard, em frente ao Gabinete Presidencial, antes de partirem por três rotas diferentes que circulavam nas principais áreas do centro de Taipei, antes de voltar ao ponto de encontro para continuar as celebrações. Delegações de 17 países diferentes estiveram presentes, bem como representantes de um grande número de ONGs locais.

 

Ativistas de direitos humanos dizem que o presidente Tsai Ing-wen fez pouco progresso relativo à temática, apesar de ter feito campanha com a promessa de lutar pela igualdade no casamento durante a eleição de 2016.

Muitos chamaram a proposta de elaboração de uma lei específica para o casamento homoafetivo "discriminatória", fazendo referência à decisão judicial de 2017 de que as leis atuais violam o direito à liberdade do casamento e da igualdade.

 

"Vamos usar nosso voto para dizer ao governo de Tsai Ing-wen que as pessoas querem a igualdade no casamento", disse Miao Poya, um dos ativistas que propôs um referendo em favor do casamento gay.

 

A sociedade ainda está dividida, disse Tsai nesse ano, mas assegurou que o governo cumprirá a decisão do tribunal.

 

Grupos conservadores, incluindo igrejas cristãs, têm atuado em sentido contrário à iniciativa, defendendo que o casamento deve ser definido como "um vínculo entre um homem e uma mulher".

 

Em resposta, os ativistas pró-LGBT propuseram seu próprio referendo, propondo que o código deveria ser alterado, o que também será votado no mês que vem.

 

Eles também propuseram um referendo pedindo educação sobre a união de pessoas do mesmo sexo em escolas.

 

Se o referendo conservador for bem-sucedido, poderá exigir uma lei separada para o casamento gay, que vai contra as premissas dos ativistas que entendem essa medida como discriminatória.

 

Propostas de referendo em Taiwan são colocadas em votação pública se forem apoiadas por 1,5% do eleitorado - um pouco mais de 280.000 assinaturas. Eles também são juridicamente vinculativos, ou seja, se tornam coercitivos após a aprovação.

 

"Esperamos que o governo leve a questão a sério. É uma pena que não tenha havido nenhuma ação após a decisão do tribunal", disse Chin Kuang-chih, 26 anos, um performer de drag queen.

ARTIGOS RELACIONADOS