Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Fatos Históricos

25 anos da adesão do Brasil ao Grupo de Supridores Nucleares

25 anos da adesão do Brasil ao Grupo de Supridores Nucleares

Conteúdo postado em 17/12/2021

Olá, sapientes!

 

Há 25 anos, o Brasil começou a fazer parte do Grupo de Supridores Nucleares (NSG), um fato que atestou a relevância do programa nuclear brasileiro. Por isso, vamos conferir um pouco mais sobre o NSG e a participação brasileira nesse grupo.

 

Formado por 48 países possuidores de tecnologia nuclear, o Grupo de Supridores Nucleares foi criado em 1974 com o objetivo de prevenir a proliferação de armas nucleares. Desde então, esse grupo estabeleceu diversas regras para a exportação de materiais estratégicos, para o desenvolvimento de tecnologia nuclear e para a transferência dessa tecnologia para outros países. O Brasil foi um dos últimos países a aderir ao NSG, em 1995, logo antes do México, que ingressou em 2012; e da Sérvia, em 2013.

 

Um ponto relevante para a prova de política internacional do CACD é o fato de que, em 2011, o NSG reconheceu o Acordo Quadripartite assinado por Brasil, Argentina, Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC) e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) como um critério alternativo ao Protocolo Adicional (PA) aos acordos de salvaguardas da AIEA. O Brasil era contrário à adesão a esse protocolo desde seu lançamento, em 1997, por acreditar que deixaria o programa nuclear nacional mais vulnerável à espionagem industrial.

 

Uma novidade é que em 2020, o presidente Bolsonaro reforçou o apoio brasileiro à candidatura da Índia ao Grupo de Supridores Nucleares (o NSG), discutido pelos dois países desde pelo menos 2006 e oficializado em 2016. Lembrando que a criação do grupo foi uma resposta ao primeiro teste nuclear feito exatamente pela Índia, em 1974. O fato de mais uma nação estar desenvolvendo armamento nuclear preocupou as potências nucleares naquele momento, pois revelou como os programas para o desenvolvimento de tecnologias nucleares usadas para fins pacíficos poderiam ser revertidos em projetos militares ofensivos.

 

Atualmente, os indianos têm o apoio de Estados Unidos, Reino Unido, França e Rússia, além do Brasil, para entrar no grupo. No entanto, o país dificilmente entrará no NSG nos próximos anos, já que a China é contrária à entrada indiana. Os chineses defendem que a adesão indiana só poderá ocorrer quando seu aliado, o Paquistão, puder se juntar ao grupo.

 

E para fechar o artigo de hoje, é bom a gente lembrar que, na Constituição de 1988, o Brasil reafirmou sua tradicional política pacifista. Antes disso, a adesão ao Grupo de Supridores, em 1995, e a outros instrumentos, como, por exemplo, o Tratado de Tlatelolco, que tornou a América Latina e o Caribe a primeira Zona Livre de Armas Nucleares em uma área densamente povoada, já afirmavam o compromisso brasileiro com o uso exclusivamente pacífico da energia nuclear. É por isso mesmo que a gente deve comemorar os 25 anos dessa adesão!

 

E como eu me preparo para o CACD?


Para você que está começando agora sua preparação para o CACD e também para você que já se prepara há algum tempo e busca uma estratégia de estudos dinâmica e eficiente, o Sapientia desenvolveu a Trilha Regular Extensiva (TRE), um programa pensado para otimizar sua preparação, perpassando todos os itens do edital do concurso de forma sólida e pragmática. A TRE utiliza o que há de melhor dos recursos multimídia para unir teoria, prática e aprofundamento. Curtiu a ideia?

 >>> Conheça mais sobre nosso mais novo curso regular clicando aqui.

Até a próxima!

sugestao-de-leitura-para-o-cacd-o-quinze

ARTIGOS RELACIONADOS