Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Atualidades

Por que o Brasil não assina o protocolo adicional do TNP?

Por que o Brasil não assina o protocolo adicional do TNP?

Conteúdo postado em 28/10/2020

 

Olá, sapientes!

 

Em 2017, o Brasil assinou o Tratado para Proibição de Armas Nucleares (TPAN), um acordo que proíbe que os Estados-parte desenvolvam, testem ou adquiram armas nucleares, gerando o debate na mídia sobre a possibilidade de o Brasil assinar também protocolo adicional do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP). Você sabe o porquê das chances de isso acontecer serem bem baixas? O Blog Sapi explica! 

 

O Protocolo Adicional ao Acordo de Salvaguardas 

 

O Protocolo Adicional ao Acordo de Salvaguardas é um instrumento que amplia a capacidade da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) de inspecionar o programa nuclear dos países para verificar se as obrigações contidas no TNP estão sendo respeitadas pelos signatários. Esse protocolo, de 1997, segundo a diplomacia brasileira, abre espaço para o risco de vazamento de segredos industriais. Além disso, ele não oferece nenhuma vantagem para que nações não tenham armas nucleares, enquanto o TNP continua sem gerar um plano mais concreto para o desarmamento das potências nucleares. Sendo assim, não é surpresa para ninguém que o Brasil não tenha dado nenhum sinal de que possa assinar o protocolo no futuro.

 

Existe outro motivo para a não assinatura do protocolo?

 

Somado ao que foi dito acima, um outro fator colabora para a não assinatura do protocolo adicional. Desde junho de 2011, o acordo Quadripartite, assinado pelo Brasil, pela Argentina, a Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC) e a AIEA, passou a ser reconhecido pelo Grupo de Supridores Nucleares (Nuclear Suppliers Group – NSG), em termos políticos, como uma garantia equivalente ao protocolo adicional aos acordos de salvaguardas da AIEA.

O TNP vem sendo atacado por sua obsolescência, já que a proliferação nuclear seguiu e pouco foi feito em relação ao desarmamento. Índia, Paquistão e Coreia do Norte, por exemplo, são países que desenvolveram a bomba após sua adoção. 

 

 

Se tornar um diplomata é o seu objetivo?


Para você que está começando agora sua preparação para o CACD e também para você que já se prepara há algum tempo e busca uma estratégia de estudos dinâmica e eficiente, o Sapientia acaba de lançar a Trilha Regular Extensiva (TRE), um programa pensado para otimizar sua preparação, perpassando todos os itens do edital do concurso de forma sólida e pragmática. A TRE utiliza o que há de melhor dos recursos multimídia para unir teoria, prática e aprofundamento. Curtiu a ideia?

 >>> Conheça mais sobre nosso mais novo curso regular clicando aqui.

Bons estudos!

 

sugestao-de-leitura-para-o-cacd-o-quinze

ARTIGOS RELACIONADOS