Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Dicionário de Economia para o CACD

Dicionário de economia para o CACD: Modelo Harrod–Domar

Dicionário de economia para o CACD: Modelo Harrod–Domar

Conteúdo postado em 11/04/2022

Olá, sapientes!

 

Já falamos do modelo neoclássico de Solow, mas há vários outros modelos de estudo do crescimento econômico que podem aparecer no CACD. E com a primeira fase chegando, nada melhor do que começar a semana conversando sobre mais um deles, não é mesmo? 

 

Primeiro, a gente precisa saber que esse modelo segue os preceitos pós-keynesianos de crescimento econômico. O que significa dizer que não acredita na ideia neoclássica de que, com base no “laissez-faire”, os mercados caminham para um ponto de pleno emprego no longo prazo. Os pós-keynesianos enfatizam a função da demanda agregada e da incerteza dos empresários no crescimento e distribuição de renda.

 

Modelo de crescimento exógeno

 

Também chamado de modelo de crescimento exógeno, o modelo Harrod–Domar foi desenvolvido primeiramente por Roy F. Harrod em 1939 e ampliado em 1946 por Evsey Domar. O modelo Harrod–Domar se propõe a explicar a taxa de crescimento de uma economia em termos do nível de poupança e da produtividade do capital. Nessa teoria, o crescimento do PIB depende da taxa de poupança que, se aumenta, aumenta também a produtividade do capital, já que a poupança é convertida em investimento, a depender do nível de incerteza dos investidores. Consequentemente, o crescimento depende da quantidade de trabalho e capital.

 

Lembrando que a variação no estoque de capital é igual ao investimento menos a depreciação do estoque de capital no longo prazo, além de ser também um fator que influencia a demanda. Sendo assim, segundo esse modelo, o investimento agregado gera dois efeitos na economia: maior demanda e melhora na capacidade da economia em elaborar o produto.

 

Em relação aos países em desenvolvimento e periféricos, que têm abundância de mão de obra menos qualificada e menos remunerada, mas pouco capital físico, o desenvolvimento econômico acaba sendo comprometido. O fato é que esses países não possuem uma renda média que permita altas taxas de poupança, tendo, portanto, menor disponibilidade para fazer investimentos e maiores dificuldades para acumular capital. 

 

Sendo assim, o modelo Harrod-Domar defende que, nesses casos, políticas de incentivo ao investimento podem ser necessárias para impulsionar o crescimento econômico do país. Dessa forma, o modelo conclui que uma economia não alcança o pleno emprego e taxas estáveis de crescimento naturalmente, sem interferência estatal como defendem os neoclássicos.

 

No entanto, o modelo não é isento de críticas. A ideia mais polêmica desse modelo é a defesa de que países pobres necessitam de empréstimos para financiar o investimento em capital e poder deslanchar o crescimento econômico. Ainda assim, como ocorreu na década de 1980, a história mostra que, na prática, o endividamento acaba resultando em diversas dificuldades para esses países. Mesmo com as críticas, não se pode negar que o modelo Harrod-Domar gerou diversas contribuições para o estudo da economia e merece ser estudado.

 

Quer se preparar para o CACD, mas não sabe como começar?

 

Para auxiliar você que está começando os preparos para o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), mas ainda não sabe qual é o curso mais indicado para o que você precisa, o Sapientia oferece uma Orientação Pedagógica Individual 100% à distância e gratuita. Quer saber como ela funciona? É simples! Com base em uma análise do seu perfil, o time de cuidados do Curso Sapientia esclarece suas dúvidas sobre planejamento para o Concurso do Itamaraty e indica o programa de estudos que melhor se encaixa nas suas necessidades. 

 

 

 >>> Saiba mais sobre a nossa orientação 100% gratuita clicando aqui.

 

 

Bons estudos!

 

sugestao-de-leitura-para-o-cacd-o-quinze

ARTIGOS RELACIONADOS