Seja Diplomata, Faça Sapientia Recorde de Aprovação no CACD

Matricule-se Agora

Conteúdo Sapiente

Complemente seu Estudo



Atualidades

Brasil é citado pela primeira vez como país com risco de genocídio de povos indígenas

Brasil é citado pela primeira vez como país com risco de genocídio de povos indígenas

Conteúdo postado em 21/07/2021

Olá, sapientes!

 

A atualidade da vez é bastante triste, mas não pode ser ignorada. A situação dos povos indígenas brasileiros foi classificada como alarmante pela assessora do secretário-geral das Nações Unidas para a prevenção do genocídio, Alice Wairimu Nderitu, em relatorio apresentado na 47° sessão regular do Conselho de Direitos Humanos da ONU. 

 

Juntamente com o governo do Brasil, citado pela primeira vez no Conselho de Direitos Humanos em um debate sobre o tema,  Wairimu Nderitu pediu que governos do Equador e outros países protejam seus povos indígenas. Somado a isso, Michelle Bachelet, alta comissária de Direitos Humanos da ONU, também mencionou o Brasil como um dos países em que há racismo sistêmico nas ações policiais.

 

Essas citações podem tornar a acusação apresentada pela Comissão Arns e pelo Coletivo de Advogados em Direitos Humanos (CADHu), em 2019, contra o presidente Bolsonaro no TPI, ainda mais grave.

 

A situação dos povos indígenas no Brasil

 

Em 2020, Bachelet já tinha afirmado que, diante da pandemia, os povos indígenas estão em situação ainda mais vulnerável, já  que, além da situação sanitária, eles têm de enfrentar as consequências de um cenário econômico mais crítico e o aumento nos danos ambientais. Além disso, em 2019, líderes indígenas brasileiros apresentaram na ONU, durante a 41ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, demandas relacionadas com migrações forçadas e invasão de terras indígenas.

 

O resultado disso tudo foi um relatório produzido pelo Mecanismo de Especialistas da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas (EMRIP),  órgão subsidiário do Conselho de Direitos Humanos, com 23 recomendações de curto e longo prazo relacionados com a proteção dos povos indígenas do Brasil, como a retomada das demarcações de terras indígenas.

 

A resposta do Itamaraty

 

Em resposta, o Itamaraty reafirmou o comprometimento do Brasil com o combate ao racismo, lembrando dos acordos de cooperação técnica para a promoção da igualdade racial, assinados em junho, que objetivam a capacitação de agentes de segurança pública e de saúde para a melhor proteção às vítimas da violência. Também destacou a recente ratificação da convenção da OEA contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância, um instrumento que promete corrigir os eixos da questão racial no país.

 

 

E como eu me preparo para o CACD?

 

Para você que está começando agora sua preparação para o CACD e também para você que já se prepara há algum tempo e busca uma estratégia de estudos dinâmica e eficiente, o Sapientia acaba de lançar a Trilha Regular Extensiva (TRE), um programa pensado para otimizar sua preparação, perpassando todos os itens do edital do concurso de forma sólida e pragmática. A TRE utiliza o que há de melhor dos recursos multimídia para unir teoria, prática e aprofundamento. Curtiu a ideia?

 

 >>> Conheça mais sobre nosso mais novo curso regular clicando aqui.

 

Até a próxima!

 

sugestao-de-leitura-para-o-cacd-o-quinze

ARTIGOS RELACIONADOS